Quarta-feira, 2 de Agosto de 2017

O SER HUMANO

 

Planeta Terra.jpg

O SER HUMANO

 

Hoje, numa breve e inesperada reflexão, enquanto saciava o jardim, dei comigo a pensar naquilo que, de facto, é o ser humano; talvez que esteja errado, mas e tristemente, chego à conclusão, ainda mais triste, de que somos o único ser vivo que nada respeita... nem o semelhante, grupo no qual está inserido, tão-pouco a mãe Natureza que o acolhe no seu leito, lhe dá tudo o que precisa e que, por recompensa, é o único animal que a destrói a seu bel-prazer e ganância, não olhando a meios nem fins, para conseguir o seu objectivo; mata por prazer, engana, destrói o seu próprio habitat, ocupa o espaço já ocupado, seja por que espécie animal, -mata-o, ou coloniza-o!-, ou vegetal e tudo isto na absurda ideia da sua extra inteligência e superioridade, o que, se tal fosse, nunca pensaria de semelhante forma. Qualquer animal nasce com o instinto de autodefesa e sobrevivência natural, enquanto que o animal humano desenvolve técnicas e armas para, mais fácil e rapidamente, matar e destruir, tudo o que lhe for possível e na sua superioridade... Não mata para saciar a fome, algo natural, somente o que e quando precisa, mas porque as leis, a si criadas, lhe dão poder, prazer, arrogância e ganância de riqueza; envenenando a própria água de onde bebe... Pobre ser! De tão estúpido e ignorante que é, entende ter a capacidade e direito à alteração das leis fundamentais e Universais da Natureza, nunca tendo a capacidade de raciocínio do resultado final e adverso, daí resultantes... Tenho pena dos verdadeiros inocentes! Irónico, a mediocridade de todos quantos defendem, como dogma, a Criação do Universo, no seu mais puro e à mão do Criador, magistral Obra, para e tão somente a destruírem, sem o mínimo de pudor, tanto que Deus criou o homem à sua semelhança e seu filho, na oferta do jardim que, de seu, deveríamos cuidar e como maior riqueza... Não acredito no Criador, mas sei que sou filho da Natureza e do Universo, na sua Omnipotência... e de dois seres, a mim semelhantes!

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )

sinto-me:
tags:

publicado por francisfoto às 18:16
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 1 de Agosto de 2017

FILHOS DE DEUS

 

Filhos de Deus #2.jpg

Filhos de Deus #1.jpg

FILHOS DE DEUS

 

Ser filho de Deus, é partir à sua descoberta,
Em desenvolvida inocência, pura bondade,
Procurar o dedo da justiça no pai Universo,
No aconchego do carinho da mãe Natureza
E em todo o esplendor da sua maternidade,
Aninhado ao seu colo, como animal indefeso;
É saber distinguir na razão da nossa ganância,
Na subida a palcos errados, nalguma vaidade
E o ajudar de um irmão, na nossa abundância...
É percebermos que, na maior e proba certeza,
A inveja é o que demais servimos de presente;
É saber o verdadeiro sentido da humanidade
Em tudo o que nos possa parecer de adverso,
No milagre de ter sempre uma porta aberta.
Ser filho de Deus, é procurar, no desconhecido,
Tudo aquilo que demais nos parece absorvido,
Percorrer os trilhos da vida, mero caminhante,
Olhando ao nosso redor, como ser inteligente,
Perceber como este mundo nos é controverso.
Ser filho de Deus, não é ir a Meca, ou a Fátima,
Com tudo o que isso possa simbolizar à crença,
Mas lançar, hoje, a mão ao nosso semelhante,
Humilde certeza que amanhã, numa lágrima,
Sorte essa que pela vida fora nos é constante,
Seremos nós e talvez mais, a similar sentença...
Ser filho de Deus, é olharmos para a retaguarda,
Nunca esquecendo quem nos observa de frente,
Entender quanto em nós tem uma salvaguarda,
Tanto que nada somos sem a palavra dos outros
E, como tal, se não a ouvirmos, seremos moucos...

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )

sinto-me:
tags:

publicado por francisfoto às 15:09
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 6 seguidores

.pesquisar

 

.Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. WALDEMAR BASTOS

. O QUE ME CHAMAM...

. FRUTOS DO TEMPO

. CARTADAS DO TEMPO

. MONTEI-A DE PRAZER...

. POETAS DE MADRUGADAS

. O REAL DO SURREAL

. PORTUGUÊS DE CAMÕES

. TALVEZ SIM, TALVEZ NÃO...

. POETA QUE VOU SENDO

.arquivos

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds