Sábado, 30 de Dezembro de 2017

CONTAGEM DECRESCENTE

 

Ano-Novo.jpg

Contagem decrescente.jpg

CONTAGEM DECRESCENTE

 

Eis os convidados que vão cantando,
Eufóricos, na contagem decrescente,
Na separação das passas e comendo,
Repetido ritual e saltos de contente.

 

Lentamente, estamos noutra final...
No findar de mais uma caminhada,
Passeios tortuosos, feitos por cada
E numa esperança de algo especial.

 

Percursos feitos nos trilhos da vida,
Pensamentos e no cansaço de tudo,
Na correria, de alguma despedida
E tanto mais que nos foi esquecido.

 

Deslizamos como peixes, num mar
E na busca de correntes marítimas,
Que nos possam de melhor ajudar,
A algum lugar de águas mais ricas.

 

Estas, porventura, demais poluídas,
Já pouco mais de melhor oferecem
A todos quanto e melhor merecem
A outros e de mais faustosas vidas...

 

Nos dias que seguem, noutra ilusão,
Seguiremos, nos próximos caminhos
De ousada luta, eu e tu, meu irmão,
Umas vezes a par e outras sozinhos.

 

Aos vindouros e constantes desafios,
Sacrifícios a que seremos guardados,
A passos largos e firmes, seguiremos
Por essas estradas, que venceremos...

 

No final, nessa poeirenta encruzilhada,
Olharemos para trás, no vazio do nada
E sem a coragem para gritar que basta,
Ao que foi de oco e deveras madrasta...

 

Somos uma humanidade de frustração,
Gente absorvida à ignorância da razão,
Povo anestesiado no porquê do saber,
Mártires de si, numa espera de morrer.

 

Somos tudo, sabendo que nada somos,
Na mais reles subserviência ao oposto
E, nesse desgosto, fazemos com gosto,
Cuspindo amargos protestos... poucos!

 

Nesta corrida e meras doze barreiras,
Somos campeões, os melhores atletas,
Saltimbancos, no melhor salto à vara,
Todos nos pisam e ninguém nos pára...

 

Cada qual na final, cada um campeão,
Sem olhar pra trás; nada se aprendeu
O que seria de aprender, na confusão
Do ano que findou e já nos esqueceu.

 

A berma, se nada mudares, será igual,
Como tantas outras, à orla da estrada
E em que caminharás no seu matagal,
Se nunca acordares de contos de fada...

 

Caminha, que o tempo é deveras curto
E a estrada é longa, repleta de logros,
Tanto que demais for contra ti o vento,
Mais cercado serás por famintos lobos...

 

Percorre teus caminhos, sem esquecer
A diferença e do que deverias ter feito,
Procurando a mudança nesse teu jeito...
Acredita, a vida é curta e a não perder!

 

Lentamente, chegaremos, acreditando,
Mas sempre e quando demasiado tardio...
Que tudo nos escapou à mão por um fio
E que o melhor caminho se faz andando.

 

Nesses trezentos e sessenta e cinco dias,
Ou nas seis horas que sobram e somam,
Tenta perceber quem és e que não vias,
Aproveitando os momentos que restam.

 

Assim darás todo o valor ao teu passado,
Que nunca reconheceste e tão renegado,
Construindo novos alicerces ao tal futuro,
Sendo agora fruto de colheita e maduro...

 

Retira-o, dessa árvore do paraíso, dádiva
Que nunca quiseste saborear na perdição
E que te foi destinado, na maior devoção,
Como se oferenda das mãos de uma diva.

 

Saboreia-o em todos os locais, momentos,
A que, também tu, tens direito, como ser
E aspirando, nesta passagem, aos alentos
Que tanto anseias, na vontade de vencer.

 

Este foi mais um ano, que chegou ao fim,
Como os demais, tão minúsculo e rápido,
Ao que, neste findar, deixo algo de mim,
... Mas não me sigam, pois ando perdido!

 

Deixo a esperança na paz pelo Universo,
Que a fome e miséria, sejam do passado,
As liberdades sejam obras de bom senso...
Ao que o homem nunca se sinta cansado!

 

( Manuel Nunes Francisco ©® )
( Imagem da net )

Todos os Direitos de Autor reservados e protegidos nos termos da Lei 50/2004, de 24 de Agosto - Código do Autor. O autor autoriza a partilha deste texto e/ou excertos do mesmo, assim como a imagem inédita, se existente, desde que mantidos nos seus formatos originais e obrigatoriamente mencionada a autoria da obra intelectual.

sinto-me:
tags:

publicado por francisfoto às 15:24
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 7 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. SEGUINDO AS ESTRELAS...

. AH, SE EU PUDESSE!...

. DILEMA DE CORES...

. ESSA MINHA VIAGEM...

. SER POBRE...

. VIAGEM QUE SIGO...

. Gasolina 95, ou Gasolina ...

. MÉTRICAS POÉTICAS

. QUANTAS AS FRONTEIRAS...

. ÁGUAS QUE VÃO CAINDO II

.arquivos

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub