Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017

NA TUA OBEDIÊNCIA

 

Obediência.jpg

NA TUA OBEDIÊNCIA


Na tua obediência, sê tu e nunca outro,
Não sendo quem não és, ou não queiras...
Sê fiel a ti mesmo, a quem mais te serve,
Humilde para com o chefe, o teu patrão,
Se é que deles precisas e tanto eles de ti,
Fazendo parte duma parte e de um todo
E nunca esquecendo quem te está acima;
Obedece a quem mais seja teu superior,
Mas que nunca ninguém a ti o mais seja...
Procurando encontrar quem não te veja,
Na busca de que nem sempre tens razão,
Mas que ironicamente nisso tanto teimas...
Percebe a razão dos outros, naqueles sinais
Que nunca ousaste entender, no teu cinismo;
Não te escondas nessa avareza e riqueza,
Nem tenhas vergonha dessa tua pobreza,
Pois que a maior fortuna é o teu coração
E nunca aquilo que mostras na tua mão...
Sê concreto no valor do teu pensamento,
Procurando soluções para o teu lamento
Nos caminhos mais tortuosos da alegria,
Pondo de parte toda e qualquer teimosia,
Num qualquer analgésico a essa tua dor...
Percebe que não te é fácil esse teu modo,
Muito menos para quem a teu lado lida...
Pior se esse alguém faz parte da tua vida.
Entende que nunca serás nada, ou alguém,
Se teimares que não precisas de ninguém,
... Será esse o teu pecado e num pior final,
Tanto mais que reclamas um teu celestial.
Sendo tu, que te proclamas, em tua cisma,
Como superior a tudo e a todos os demais,
Nunca te esqueças que és de ti um servo,
À escravatura te ti próprio, nesse egoísmo,
À servidão de tantos e semelhante escravo,
Tanto mais, se não reconheceres esse lugar
Do teu semelhante, que obediência te deve
Nalguma equação matemática de igualdade,
Que tu tanto apregoas de teu irmão e amar,
Senão à hipócrita declaração de tua maldade
E teu olhar para mim, renegando o que senti
Nalgum puro sentimento, que em ti procuro
Enquanto me acompanhas, calmo e sereno,
Mas com o pensamento repleto de veneno,
Por estes caminhos que tão de mim são teus
Nesta minha obediência e que de ti são meus...
No teu acatamento, busca nesse teu trilho,
Sem tropeçares, ou tão-pouco empurrares
Quem quer que seja, como mero empecilho
... E dando o que queres, sem nunca te dares!


( Manuel Nunes Francisco ©® )

sinto-me:
tags:

publicado por francisfoto às 21:57
link do post | favorito
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 6 seguidores

.pesquisar

 

.Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. WALDEMAR BASTOS

. O QUE ME CHAMAM...

. FRUTOS DO TEMPO

. CARTADAS DO TEMPO

. MONTEI-A DE PRAZER...

. POETAS DE MADRUGADAS

. O REAL DO SURREAL

. PORTUGUÊS DE CAMÕES

. TALVEZ SIM, TALVEZ NÃO...

. POETA QUE VOU SENDO

.arquivos

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds